Parem a guerra na Ucrânia

26/02/2022 12:37

International Secretariat Thu, 24/02/2022 - 13:31                         

 

A Liga pela Quinta Internacional condena o ataque das forças aéreas e terrestres russas à Ucrânia, bem como a negação de Vladimir Putin do direito da Ucrânia à independência como Estado soberano.
Sua alegação de estar defendendo os interesses dos russófonos na Ucrânia e da segurança da Rússia contra a OTAN é uma fraude gigantesca. Não menos fraudulentas, porém, são as alegações dos aliados da OTAN de agirem apenas em defesa da democracia e da soberania nacional. Como Putin, eles estão perseguindo seus próprios interesses imperialistas. Em suma, a invasão da Ucrânia é principalmente um conflito inter-imperialista.

As ações brutais de Putin são parte da ação das forças russas na Síria para sustentar o regime assassino de Assad, bem como o assassinato de oposicionistas, a repressão de protestos em massa em sua própria casa e sua promoção de partidos de extrema direita e governos autoritários dentro da UE. Em suma, são as ações de uma potência imperialista em conflito com as potências imperialistas dos EUA e da UE.
Condenamos igualmente o papel da OTAN na promoção desta crise, cujas raízes estão na preservação e extensão da Aliança da Guerra Fria, OTAN, após o colapso da URSS, e o seu avanço para as próprias fronteiras da Federação Russa, em violação das reiteradas garantias a sucessivos líderes russos.

Além disso, interveio em movimentos democráticos populares inicialmente legítimos contra os regimes oligárquicos corruptos nos estados restantes da Federação Russa “próximos no exterior”. O objetivo era substituir regimes pró-russos por anti-russos, transformando-os nas chamadas revoluções coloridas. Mais cedo ou mais tarde, isso resultaria em um recuo do imperialismo russo tão logo a força fosse suficiente.

Esta foi a estratégia de todas as grandes potências imperialistas aliadas aos EUA. A política de Washington de rejeitar as exigências da Rússia por uma garantia de que a Ucrânia não se juntaria à OTAN, no entanto, também visava os movimentos da França e da Alemanha pela afirmação de maior autonomia econômica e militar da superpotência transatlântica. Eles agora são os grandes perdedores disso, com sua solução diplomática no lixo e a Alemanha forçada a suspender a ativação do gasoduto Nordstream 2.

O objetivo era subordiná-los dentro da OTAN, sendo ela mesma um esquema de proteção americano glorificado, forçando-os a concordar com as sanções ditadas e impostas por Washington, por mais ruinoso que isso fosse para suas próprias economias.

O fato de o imperialismo da OTAN fazer isso sob as bandeiras da democracia, dos direitos humanos e da autodeterminação das nações sempre foi e continua sendo um engano cruel. Mas também o é a alegação da Ucrânia de estar simplesmente defendendo seu direito à autodeterminação, porque, desde 2014, luta para negar um direito igual às regiões orientais do país (e à Crimeia), incluindo o direito a usar sua própria língua e decidir livremente se desejam ou não viver dentro das fronteiras de um estado definido por aceitar uma identidade nacional etnicamente ocidental ucraniana.

A aventura chauvinista de Putin deu ao presidente dos EUA Joe Biden e seus aliados da OTAN o pretexto perfeito para intensificar a histeria da Guerra Fria e encorajar as forças descaradamente social-imperialistas dentro do movimento dos trabalhadores do mundo, seja dos partidos social-democratas e de trabalhadores ou dos movimentos sindicais.

Da mesma forma, quaisquer forças da tradição stalinista que desculpem as ações de Putin e justifiquem suas demandas por uma “esfera de influência” ou uma “zona de segurança” estão longe de seguir uma política baseada no internacionalismo e na oposição a todo imperialismo. Acreditar que o inimigo de nosso inimigo deve ser nosso amigo é o cúmulo da insensatez. Na verdade, nossos únicos aliados são os trabalhadores de todos os países lutando contra seus próprios governantes e estendendo a mão da solidariedade nas linhas de frente do conflito.

O imperialismo chinês está economicamente várias categorias acima da Rússia como economia global e, portanto, eventualmente, um militar, rival dos EUA. O pivô de Obama, Trump e Biden para a Ásia e sua narrativa na Europa "Putin é o novo Hitler", inevitavelmente empurraram a China para mais perto da Rússia. Mas isso não é causado pelos desafios de Xi Jinping e Putin aos “nossos valores”, mas por sua rivalidade econômica com os EUA. A perseguição brutal e racista de Pequim aos uigures em Xinjiang e aos ativistas da democracia em Hong Kong é um aviso de que a China não se permitirá ser isolada ou colocada em pequenas porções pelos EUA.

Por todas essas razões, a classe trabalhadora e o movimento progressista em todo o mundo precisam ser convencidos a não tomar partido neste conflito inter-imperialista. No antigo coração imperialista, a pretensão de defender a democracia é simplesmente uma manobra cínica para defender o “direito” desses estados de saquear o mundo. Na Rússia e na China, é um passo para substituir os velhos imperialistas e subordinar a grande maioria da humanidade a novos senhores, permitindo que novos bilionários floresçam às custas de seus próprios trabalhadores e da maioria empobrecida da humanidade.

Essencial para uma postura correta sobre isso é o slogan de Karl Liebknecht na Primeira Guerra Imperialista: “o principal inimigo está em casa”, igualmente aplicável nos EUA, seus aliados da OTAN e na Rússia e na China.

  • Retirada imediata de todas as tropas russas da Ucrânia. Reconhecimento incondicional por Moscou da independência da Ucrânia e de sua condição de Estado.
  • Nenhum apoio às sanções econômicas ocidentais contra a Rússia. Por ações dos trabalhadores para impedir o fornecimento de suprimentos e munições para todos os combatentes enquanto durar a agressão.
  • Retirada de todos os conselheiros da OTAN da Ucrânia e das forças navais das potências ocidentais do Mar Negro.
  • Pelo direito das regiões de Donetsk, Lugansk e Crimeia à autodeterminação democraticamente expressa, incluindo as opções de autonomia dentro da Ucrânia, independência ou adesão à Rússia.
  • Extinção da OTAN e da Organização do Tratado de Segurança Coletiva.
  • Parar a marcha, iniciada por meio de uma nova Guerra Fria, em direção a uma guerra inter-imperialista global.
  • Por um novo movimento global contra a guerra imperialista e o rearmamento.
  • Utilização dos enormes recursos técnicos e científicos que estão sendo gastos na guerra, para resolver as questões candentes da catástrofe climática, pobreza, fome e doenças.
  • Por uma união internacional dos partidos da classe trabalhadora que lutam contra o capitalismo e o imperialismo e pelo socialismo – por uma Quinta Internacional para continuar o progressivo trabalho das quatro primeiras Internacionais.

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/stop-war-ukraine)

Tradução Liga Socialista – 26/02/2022