Quatro Crises: Clima, Pandemia, Economia e Guerra

19/12/2021 19:05

International Executive Committee of the League for the Fifth International Wed, 15/12/2021 - 10:04

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou uma série de crises interligadas. Na vanguarda está uma crise global de saúde. O Covid-19 pegou os governos e os sistemas de saúde de surpresa, apesar de terem sido prevenidos pelos epidemiologistas e pela OMS de uma provável segunda epidemia de SARS e pelos sindicatos de trabalhadores da saúde da falta de preparo de seus hospitais e clínicas para lidar com uma epidemia. O Covid-19 matou mais de cinco milhões em todo o mundo e, com variantes Delta e Omicron, ainda está em fúria, explodindo novamente em países que estavam convencidos de que tinham tudo sob controle e estavam reabrindo suas economias.

As próximas manchetes serão o número crescente de eventos climáticos extremos; inundações, incêndios florestais e secas ao redor do mundo, que tornam inegável a perspectiva de mudanças climáticas catastróficas. No entanto, a COP26 em Glasgow era apenas mais um “talkfest”. As empresas de petróleo, gás e carvão, e os Estados dependentes de seus produtos, EUA, China, Índia, Brasil e Arábia Saudita, bloquearam qualquer compromisso firme de reduzir essas fontes de emissões de CO2. Mais uma vez, os países semi-coloniais, especialmente aqueles nos trópicos que já sofreram muito, em vez de receberem mais empréstimos, foram roubados dos bilhões de que precisam para conter os efeitos.

Em terceiro lugar, o Covid produziu a contração anual mais profunda na economia global desde a década de 1930. Os bloqueios forçaram os principais estados imperialistas a abandonar seus dogmas neoliberais sobre os gastos do Estado. As taxas de juros, que pairavam em torno de zero durante anos para estimular economias que tendem à estagnação, agora permitiam que os Estados emprestassem trilhões e, no coração imperialista, pagassem aos trabalhadores (ou melhor, seus empregadores) para reter mão-de-obra qualificada ou trabalhar em casa. Embora a interrupção das cadeias de suprimentos e dos mercados mundiais, e os repetidos lockdowns, tenham causado enormes perdas, a escala completa de destruição de capital não estará clara até que a pandemia cesse. O FMI prevê que até 2024 o PIB global ainda estará 2,8% abaixo de suas estimativas de onde estaria antes da queda causada pela pandemia.

Ao mesmo tempo, guerras sangrentas na Etiópia e no Iêmen envolveram potências regionais ditatoriais como na Arábia Saudita e no Irã. No Chifre da África e, de fato, através do Sahel, golpes militares, movimentos guerrilheiros islâmicos e gangues criminosas estão fomentando o caos enquanto tropas do governo cometem atrocidades tão livremente quanto os terroristas. A corrida armamentista naval EUA-China no leste da Ásia, o novo pacto AUKUS (pacto militar anunciado por EUA, Reino Unido e Austrália para conter a China) e a repressão da China em Hong Kong e Xinjiang, também sublinham a entrada do mundo em um período de intensificação da rivalidade inter-imperialista, prometendo surtos de guerras por procuração entre as potências regionais.

Juntos, estes levaram a um aprofundamento da crise política nas democracias burguesas há muito estabelecidas. A década que se seguiu à Grande Recessão viu estagnação nos salários reais em muitos países imperialistas e declínio nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Isso foi acompanhado por cortes na previdência social para pagar as enormes doações às empresas julgadas "grandes demais para falhar".

A democracia burguesa sem prosperidade é um fenômeno instável e tem acontecido uma polarização política generalizada. A presidência de Donald Trump polarizou e desestabilizou a política interna dos EUA. Embora ele tenha sido derrotado em 2020, houve então o espetáculo sem precedentes dele tentando se agarrar ao poder e a invasão do Capitólio dos EUA por seus seguidores semifascistas. Apesar disso, os republicanos não foram desacreditados aos olhos de metade do eleitorado e um retorno de outro populista de extrema direita é uma possibilidade real em 2024.

No próximo ano, por causa de seu grande número de seguidores fascistas e apoio nas forças armadas, Jair Bolsonaro poderia montar uma tentativa mais séria do que a de Trump para resistir à derrota eleitoral com um golpe de Estado. Os movimentos antivax e de resistência ao lockdown na Europa geralmente se ligam a partidos de direita pré-existentes, como o Partido da Liberdade Austríaco e o Alternativa para a Alemanha. Este último desenvolvimento indica a profundidade do descontentamento entre as classes médias e as seções menos conscientes da classe trabalhadora, também.

Do outro lado do espectro político, apesar das restrições à atividade pública, os últimos anos também têm visto mobilizações em massa. Na Índia, uma grande greve geral de um dia em novembro de 2020, seguida por um bloqueio de estradas por um ano em Delhi por agricultores que protestavam contra as leis neoliberais da agricultura, forçou o "homem forte" Modi a uma derrota humilhante. Depois houve as enormes mobilizações Black Lives Matter nos EUA após o assassinato de George Floyd.

As grandes "greves escolares para o futuro" em 2019 forçaram a questão das mudanças climáticas à agenda política. O movimento de massa sudanês de 2018-19, que destituiu o ditador Omar al Bashir, retornou em outubro deste ano depois que Abdel Fattah al-Burhan expulsou os representantes civis do conselho soberano. Protestos em massa no Chile em outubro de 2019 levaram à convocação de uma assembleia constituinte e ao sucateamento da constituição de Pinochet, mas um populista de direita, como Bolsonaro, pode ser eleito no segundo turno da eleição presidencial em dezembro.

Assim, há todas as justificativas para o alarme das populações frente ao Covid, inflação, desemprego, eventos climáticos extremos e guerra. Uma vez e outra eles têm mostrado vontade de protestar nas ruas. O que falta é uma liderança política com um programa para direcionar as forças que podem arrancar o poder das mãos dos milionários corruptos, e dos regimes militares, e destiná-lo aos conselhos e milícias dos trabalhadores do campo e das cidades e da juventude.

Diante desses desafios, no entanto, as organizações da classe trabalhadora e seus aliados têm se mostrado lentas e ocultadas por vários tipos de reformismo. Romper esse impasse, permitindo que o novo mundo nasça da agonia do antiga, é a tarefa dos revolucionários de todo o mundo e a organização internacional é a chave para o sucesso nisso.

A Pandemia Continua

A pandemia Covid-19 claramente não acabou, como já comprovado pela "quarta onda" na Alemanha, Áustria e outros países da Europa Central/Oriental e agora pela rápida disseminação da variante "Omicron". Continuará a ter poderosos efeitos econômicos sobre um sistema capitalista que em 2019 já estava passando de uma década de quase estagnação para outra grande recessão. Não só o vírus se transformou em variantes mais transmissíveis, mas, enquanto todos os países imperialistas além da Rússia vacinaram a maioria de suas populações, apenas algumas semi-colônias (principalmente no Golfo, no leste da Ásia e na América Latina) foram capazes de fazê-lo, e com uma considerável defasagem de tempo. O verdadeiro pedágio econômico de suas devastações na África, América Latina e grande parte da Ásia provavelmente será enorme, mas o fornecimento de vacinas foi sitiado pelos países imperialistas. Qual será a verdadeira escala da devastação sobre as populações do mundo semicolonial só pode ser imaginada.

A pandemia atingiu os serviços de saúde do mundo ao ponto de ruptura e interrompeu suas economias capitalistas, quebrando cadeias de suprimentos, demitindo forças de trabalho e levando a falências. Nos países imperialistas mais antigos, alguns desses efeitos poderiam ser compensados por licenças, doações maciças aos empregadores, todas sustentadas por taxas de juros historicamente baixas.

No entanto, as bolsas de valores e os mercados de títulos, após quedas de curta duração no segundo trimestre de 2020, voltaram a subir para novas máximas até o final do ano. Isso não indicou uma recuperação da economia real (a parte que gera e percebe o valor excedente), mas sim um novo balonismo de capital fictício, incapaz de encontrar locais suficientemente rentáveis para investimento em indústrias produtivas. Banqueiros centrais e ministros das finanças estão agora alertando para um retorno à inflação e, se as chamadas economias reais flutuarem em torno da estagnação, para a "estagflação" testemunhada pela última vez na década de 1970, uma década de lutas explosivas de classes, revoluções e contrarrevoluções.

A Organização Internacional do Trabalho calculou que o equivalente a 100 milhões de empregos em tempo integral foi perdido em 2020-2021 e teme que o número continue a aumentar em 2022, à medida que os gastos de apoio estatal forem retirados e as empresas falirem, com trabalhadores jovens e mulheres sofrendo mais. Grandes mudanças no comércio e na indústria serão reveladas, assim que a recuperação for concluída.

A próxima catástrofe climática

Ao mesmo tempo em que, em palavras, reafirmam a meta de manter a temperatura global abaixo do limite de 1,5 graus do IPCC até 2050, na COP 26 em Glasgow, os governos mundiais deixaram as corporações livres para continuar a mineração e a perfuração. Os especialistas do IPCC preveem que, de fato, o mundo está em curso para um aumento de 2,4 graus. Mesmo o valor mais baixo significaria ondas de calor extremas, aumento do nível do mar com inundação de ilhas e cidades costeiras, e destruição da biodiversidade em terra e nos oceanos.

As mudanças climáticas também trarão enormes efeitos políticos. Em toda a África, a escassez de recursos hídricos e a desertificação de terras aráveis e pastagens já levaram ao aumento da migração e a conflitos tanto entre pastores e agricultores quanto entre estados sobre os recursos hídricos, todos os quais crescerão dramaticamente.

Enquanto isso, eventos climáticos extremos estão se espalhando; grandes incêndios florestais na Austrália, Grécia e ao longo da Costa Oeste dos EUA e Canadá; inundações na Alemanha e na China, ciclones destrutivos em Fiji e indonésia. A fome e a inanição estão em curso por causa das secas em muitas regiões da África e no Afeganistão. Embora o sofrimento nessas áreas seja, em parte, causado por guerras e deslocamentos causados pela pandemia, a maioria desses eventos pode ser atribuída diretamente às mudanças climáticas. No entanto, em Glasgow, a COP 26 falhou totalmente em tomar medidas que poderiam até começar a limitar as causas das mudanças climáticas induzidas pelo homem. Sua grande conquista foi apenas um apelo aos governos para que suspendessem seus subsídios à extração de carvão, petróleo e gás sem sequer um cronograma real para cessar a extração.

As mudanças climáticas, pandemias, recessões e guerras, apresentam um desafio existencial ao capitalismo como um modo de produção e de classe. Sua incapacidade de planejar e desenvolver as forças da produção sem desencadear imensas forças destrutivas, colapsos e crescentes desigualdades, o que Marx chamou de fenda metabólica com a natureza, proclama-o um sistema social em decadência, apesar de todas as suas maravilhas tecnológicas e científicas. Isso tem brilhado um holofote sobre a disfuncionalidade do capitalismo, a prioridade predominante dada ao lucro em vez das necessidades das pessoas. Além do colapso econômico e da guerra, a revolução do século XXI terá que enfrentar toda a gama de catástrofes ambientais e futuras pandemias, contribuindo para a crise do "socialismo ou barbárie" do nosso mundo.

Estagflação que leva à queda

O economista marxista Michael Roberts comenta que "as previsões para o crescimento médio real do PIB anual em praticamente todas as principais economias são para um crescimento menor nesta década em comparação com a década de 2010 – que eu chamei de Depressão Longa". Ao mesmo tempo, a inflação está finalmente reaparecendo nas economias mundiais, corroendo salários, pensões e poupanças e potencialmente colocando um fim às despesas destinadas a estimular a recuperação, muito menos para anunciar a nova era dos (neo) gastos sociais keynesianos esperados pelos reformistas social-democratas e populistas de esquerda.

A queda de 2020 encerrou uma década em que, apesar das altas, a economia mundial tendia a estagnar. A raiz disso reside na superacumulação do capital, em si devido à falha em encontrar áreas de investimento suficientemente rentáveis dentro da produção e seu subsequente desvio para investimentos improdutivos e, de fato, parasíticos. Apenas uma destruição verdadeiramente grande do capital, fechando velhas indústrias com baixas taxas de lucro, poderia começar a resolver este problema. Mas, além de aumentar as taxas de lucro a longo prazo, uma grande queda seguida de uma longa depressão geraria as outras características-chave da nossa "época de guerras e revoluções" (e contrarrevoluções). As grandes potências, obcecadas em defender ou ganhar o domínio mundial nos assuntos econômicos e militares, são ainda menos propensas a restaurar instituições, tratados ou acordos multilaterais. Os EUA lideram a imposição de sanções a qualquer um que viole seus interesses. Guerras Frias e guerras comerciais podem se transformar em guerras quentes quando interesses estratégicos vitais estiverem em jogo.

Rivalidade dos Grandes Poderes

Após a retirada dos Estados Unidos do Afeganistão, uma nova onda de refugiados desesperados, impulsionada pelos muitos que enfrentam a fome naquele país, está inundando estados vizinhos como o Irã e o Paquistão. Milhares estão indo para as fronteiras da União Europeia, em parte por causa das ações cínicas do ditador bielorrusso Alexander Lukashenko, auxiliado e apoiado por seu Grande Irmão, o russo Vladimir Putin.

Putin está envolvido em uma luta com a UE desde que a Otan avançou sua adesão às fronteiras da Rússia e fomentou "revoluções coloridas" em seu "próximo ao exterior", incluindo a Ucrânia. Seu contra-ataque incluiu a apreensão da Crimeia, a ajuda aos separatistas ucranianos orientais e ao regime de Assad, um aliado de longa data e protegido da URSS e, em seguida, da Federação Russa. Os EUA e a Rússia são corresponsáveis pelo lançamento de uma nova guerra fria na Europa que poderia muito bem se ligar à que está em curso entre os EUA e a China na Ásia.

Na China, Xi Jinping prolongou sua liderança indefinidamente. A "resolução histórica" do sexto plenário do Comitê Central do PCCh aumentou seu papel de bonapartista referindo-se a ele como seu "núcleo" e elevando-o ao mesmo status de Mao Tsé-Tung. Claramente, esse papel de árbitro reflete uma profunda tensão dentro das duas forças dominantes na China, a burocracia capitalista do partido-militar-estado e a crescente grande burguesia do setor privado. A campanha anticorrupção de Xi visa tanto rivais burocráticos (desconhecidos) quanto capitalistas super-ricos como o fundador do Alibaba, Jack Ma, que foram derrubados por medo de desenvolverem laços com a burguesia chinesa no exterior, sobretudo em Taiwan.

Outra vertente é o aumento do chauvinismo chinês (Han) do PCCh com a perseguição dos uigures e ameaças a Taiwan, instalações navais no Mar do Sul da China e manobras conjuntas com a Rússia perto do Japão. O programa "Prosperidade Comum" é promovido como a superação do abismo entre os super-ricos e as massas, bem como as desigualdades entre as diferentes regiões do enorme país, incluindo a divisão urbano-rural, e tudo apesar de todos terem sido "retirados da pobreza absoluta". No entanto, uma série de empresas chinesas e CEOs correram para colocar dinheiro no chapéu sendo passado.

A posição de Xi, de homem forte no exterior, sua não presença na COP26, mas uma reunião individual com Biden, são destinadas a demonstrar que a China, também, se tornou uma "nação indispensável". Além disso, há evidências crescentes dos Estados do Sul da Ásia e África de que a Iniciativa do Belt and Road é um projeto de investimento imperialista, atraente para regimes autoritários e ditatoriais (Mianmar e, talvez, Afeganistão) porque não há restrições de direitos humanos à ajuda chinesa. Se a China, como a Rússia, se associar a tais regimes, isso pode não manter o país em bom lugar nas batalhas ideológicas da Guerra Fria com os EUA.

No entanto, os velhos "imperialismos democráticos" também minam seu "poder suave" ao se recusarem a admitir refugiados de guerras e invasões que foram feitas por eles. Eles são igualmente, de fato, ainda mais culpados por impedi-los de cruzar a fronteira entre bielorrussa e Polônia por entre cercas de arame farpado e destacamentos de forças armadas, apesar do dever dos Estados da UE sob o direito internacional de considerar todos os pedidos de asilo.

A União Europeia enfrenta outra enorme crise imigratória, não por causa de um número insuportável de refugiados e migrantes econômicos, mas por causa da pressão racista dos partidos populistas que opõem aos governos que cumprem suas obrigações de tratado para processar pedidos de asilo. Isto vale tanto para a costa do Canal da Mancha quanto nas florestas da Bielorrússia.

Bruxelas continuará com sua política de imigração racista, isolando a "fortaleza da Europa" para a maioria dos refugiados, ao mesmo tempo em que admite alguns profissionais e mão-de-obra altamente qualificada, a fim de apaziguar os partidos populistas de extrema direita e de direita. Seu racismo contra os refugiados e contra os muçulmanos continuará a ser um meio-chave para mobilizar movimentos reacionários, mas, na situação atual, a maioria agora está orientando para os movimentos reacionários contra a vacinação, apresentando-se como defensores da "liberdade".

Se fosse uma economia nacional, a UE ficaria atrás apenas dos EUA no PIB, é um gigante econômico, mas um anão político. Sua coesão está anos-luz atrás tanto dos EUA quanto da China e o Brexit reduziu seu peso financeiro e militar. A França, sob o comando de Emmanuel Macron, tem pressionado pelo federalismo econômico e político e por uma capacidade militar independente dos EUA. A Alemanha, no entanto, reteve-se de qualquer medida realmente decisiva nesse sentido. A necessidade de unanimidade em reformas importantes significa que os Estados do Leste Europeu podem vetar grandes iniciativas como um exército europeu unificado, independente dos EUA.

Movimentos Progressistas de Massa

Enquanto isso, os movimentos destinados a salvar o planeta, como o Fridays for Future (Sextas-feiras para o Futuro) e a Global Climate Strike (Greve Global Climática), cresceram para proporções internacionais. Houve protestos em todo o mundo, incluindo a mobilização de camponeses e comunidades indígenas no Sul Global. Mas, como Glasgow (e Paris antes dela) mostraram, eles foram incapazes de alterar o comportamento dos governos e das corporações que matam a natureza, incapazes até mesmo de "eliminar" os subsídios para a produção de carvão, muito menos parar a mineração ou a extração de petróleo e gás.

As revoluções democráticas contra regimes repressivos, lideradas pelos jovens do mundo, se espalharam amplamente no final da Grande Recessão em 2011, nos países árabes, no Sudeste Asiático, (Myanmar e Tailândia) e na América Latina. Mas, como eles falharam em esmagar o aparato repressivo militar, expulsar as classes dominantes corruptas e instalar novos órgãos de poder dos trabalhadores, da juventude e dos oprimidos, as "fontes democráticas" quase todas se transformaram em "invernos contrarrevolucionários", mais bem evidenciados pelo regime brutal de El Sisi no Egito. No entanto, a mobilização em curso no Sudão, após o golpe de 25 de outubro de 2021 liderado pelo general Abdel Fattah al-Burhan, mostra a resiliência das forças populares e que as elites enfrentam desafios repetidos para criar regimes repressivos estáveis e duradouros em tempos de crise econômica.

No entanto, houve uma verdadeira pandemia de "homens fortes", incluindo Duterte nas Filipinas, as juntas em Mianmar e Sudão, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia, Modi na Índia, Xi na China, Bin Salman na Arábia Saudita, a lista continua. O problema enfrentado pelas forças progressistas em todo o mundo é a eficácia limitada do protesto pacífico. Mesmo protestos em massa e prolongados fracassarão enquanto o Estado puder manter a moral e a disciplina de suas forças repressivas.

Uma Crise de Liderança

Outra característica da situação mundial é a fraqueza dos governos de "centro-esquerda" que chegaram ao poder em vários países e estão prontos para fazê-lo em outros se líderes populistas reacionários não conseguirem se manter no poder. No Brasil, o substituto de Bolsonaro provavelmente será o ex-presidente Lula da Silva, cuja sucessora escolhida, Dilma Rousseff, foi afastada por um golpe judicial e parlamentar. Foi a "frente popular" de Lula com os traiçoeiros partidos burgueses, que abriu caminho para Bolsonaro. Mesmo que Lula ganhe e se estabeleça no cargo mais uma vez, o ciclo quase certamente se repetirá, desta vez com a adição de um poderoso movimento fascista, um legado da presidência de Bolsonaro.

Grandes reformas parlamentares só são possíveis em dois cenários; um capitalismo expansivo próspero que pode pagar "migalhas de sua mesa" ou um aumento do movimento de massa que ameace uma revolução, tornando reformas sérias uma opção viável para uma classe dominante ameaçada. Como nenhum deles existe, este último devido aos efeitos sufocantes das burocracias social-democrata e sindical, as crises políticas contínuas estão quase garantidas nos próximos anos.

O retorno ao poder do Talibã após a ignominiosa derrota dos EUA e a caótica partida de Cabul, aumentou a desestabilização de todo o sul da Ásia, incluindo Afeganistão, Paquistão, Índia, Bangladesh, Sri Lanka e Mianmar. Por trás disso está a rivalidade entre os EUA e a China e a tentativa desesperada da Índia de desafiar ambos. A Iniciativa do Belt and Road de Xi Jinping, destinada a garantir o domínio regional, garantirá conflitos futuros em todo o Oceano Índico.

Hoje, no entanto, a região é abalada por lutas democráticas legítimas pelos direitos nacionais. Os uigures, os Rohingya, os Tâmils, os Caxemiras, os Balochs e uma variedade de comunidades etnolinguísticas no Afeganistão, todos sofreram pogroms e limpeza étnica por regimes militares e grupos fundamentalistas, sejam hindus, muçulmanos, budistas ou, no caso dos uigures, supostamente comunistas.

Os partidários pró-palestinos na Europa e na América do Norte enfrentaram um contra-ataque cruel do Estado israelense e de seus partidários nos governos imperialistas e na mídia de direita. Os sucessos iniciais das campanhas para expor o caráter do Apartheid do estado colonizador israelense levaram a uma nevasca de falsas acusações de hostilidade racista aos judeus. Seu maior sucesso foi sua contribuição para expulsar Jeremy Corbyn da liderança do Labour Party. Os partidários da causa palestina, incluindo judeus progressistas corajosos, foram alvos na Grã-Bretanha e todas as críticas sérias a Israel agora são recebidas por acusações da mídia de antissemitismo.

Nunca a necessidade de uma nova Internacional ficou tão clara. A classe trabalhadora mundial e seus aliados naturais entre os oprimidos social e racialmente e os camponeses pobres, devem se unir e fortalecer sua resistência aos ataques do capitalismo doméstico e do imperialismo. No entanto, os partidos que se autodenominam socialistas ou comunistas, e as forças centristas trotskistas em escala mundial, têm recuado principalmente para o isolamento nacional, mesmo em comparação com as mobilizações anticapitalistas, antineoliberais, antiglobalização ou antiguerra do período 1998-2006.

Naqueles anos, fóruns sociais mundiais e continentais reuniram ativistas climáticos, grupos indígenas, feministas, sindicalistas progressistas e grupos socialistas de esquerda de vários tipos. Mas os partidos reformistas como o Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil e ONGs em campanha (como a Attac) paralisaram essas reuniões com uma camisa de força de "não votos" sobre a ação, sem partidos políticos, sem debates que levem à adoção de políticas. As exceções parciais foram a ESF de Florença (2002) e a WSF de Porto Alegre (2003), que lançaram um movimento antiguerra global de dezenas de milhões.

O que fazer?

Após a Grande Recessão, os movimentos Occupy e a Primavera Árabe foram seguidos por movimentos internacionais de mulheres e pessoas de cor. Nesses movimentos reformistas e revolucionários progressistas mais uma vez se uniram por cima em ações combinadas contra guerras e maus tratos aos imigrantes.

Organizacionalmente, tal colaboração foi baseada em redes e não em estruturas representativas democráticas. Embora muitos tenham elogiado essa "falta de liderança", ela realmente deixou decisões sobre política e táticas para acadêmicos autoproclamados, jornalistas radicais e "líderes comunitários". Embora a maioria proclame sua solidariedade uns com os outros, eles não reconhecem que todos os diferentes movimentos requerem uma unidade muito mais forte para a vitória. Os passos para isso poderiam ser tomados por frentes unidas nas quais as metas são acordadas democraticamente e, em seguida, realizadas coletivamente.

A Política identitária, na qual a experiência subjetiva da opressão é o determinante preeminente de metas e táticas, tende a dividir-se ao invés de unir os oprimidos. Embora muitos desses movimentos realmente reconheçam a necessidade de conquistar forças da classe trabalhadora e proclamarem-se anticapitalistas e até marxistas, eles não aceitam que derrubar o capitalismo requer um programa comum e integração na luta de classes em um partido revolucionário. Em parte, isso é resultado dos fracassos e crimes da Social-Democracia, do Stalinismo e das variedades centristas do trotskismo.

Sem um novo programa mundial de revolução, não serão encontradas soluções para as questões ardentes do meio ambiente, da pobreza e da desigualdade racial e de gênero. Apenas um movimento da classe trabalhadora renascido e organizado internacionalmente, atraindo os jovens ativistas já engajados em todas essas lutas, pode criar uma vanguarda capaz de desafiar o capitalismo em cada uma dessas frentes. As crises que delineamos contribuirão para criar situações pré-revolucionárias e revolucionárias ainda maiores do que as que ocorreram em 2010-11 após a Grande Recessão.

Por esta razão, a Liga pela Quinta Internacional convoca todas as forças militantes e progressistas que reconhecem o capitalismo e o imperialismo como inimigos a se reunirem novamente para debater a estratégia e organizar ações comuns. Seu objetivo deve ser o desenvolvimento de um programa de ação comum que trace um curso para os trabalhadores e oprimidos do mundo desde as lutas de hoje até uma revolução mundial.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (Four Crises: Climate, Pandemic, Economy and War | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista