Reino Unido: Labour Party em crise devido à repressão aos apoiadores de Corbyn

13/12/2020 11:54

Dave Stockton Tue, 01/12/2020 - 22:52

 

Em 29 de outubro de 2020, Jeremy Corbyn, líder do Labour Party, de setembro de 2015 a abril de 2020, foi suspenso da filiação partidária e teve sua filiação ao Parliamentary Labour Party retirada. A ação foi tomada pelo secretário-geral não eleito do partido, David Evans, em conluio com o líder do partido, Keir Starmer. O pretexto dado foi a resposta de Corbyn à publicação do relatório de outubro de 2020 da Comissão de Igualdade e Direitos Humanos sobre a forma como o Labour Party lida com o antissemitismo sob sua liderança. Ele havia declarado:

“Um antissemita é demais, mas a escala do problema também foi dramaticamente exagerada por razões políticas por nossos oponentes dentro e fora do partido, bem como por grande parte da mídia. … Embora eu não aceite todas as conclusões (do EHRC), acredito que suas recomendações serão implementadas rapidamente para ajudar a avançar a partir deste período. ”

O próprio Relatório não considerou Corbyn responsável por nenhum dos incidentes antissemitas, nem os considerou generalizados, apesar das alegações de proeminentes parlamentares de direita do Labour e pró-Israel, além do Rabino-chefe e o Conselho de Deputados que, em qualquer, não se pode dizer que represente toda a comunidade judaica - não os ultraortodoxos, as sinagogas liberais ou muitos judeus seculares e socialistas.

O Comitê Nacional Executivo (NEC) do Labour Party montou um painel para considerar a suspensão de Corbyn do partido, o que rapidamente restaurou sua filiação plena. O tumulto resultou do Tory (liberal) e da mídia conservadora, dos parlamentares de direita e do Conselho de Deputados. Membros do Parliamentary Labour Party (PLP) ameaçaram renunciar ao partido. Em seguida, o secretário-geral do partido, apoiado por Starmer, anunciou que Corbyn não seria restaurado como membro do PLP.

Evans, um veterano do Novo Regime Labour de Tony Blair, ordenou na semana passada que os partidários constituintes (CLP) não discutissem a suspensão de Corbyn sob pena de ação disciplinar. No entanto, o próprio Starmer, e parlamentares de direita e figuras importantes no Shadow Cabinet (Gabinete Paralelo), apoiaram ruidosamente e publicamente a decisão. Os partidários constituintes locais, no entanto, têm o mesmo direito negado - e foram efetivamente amordaçados. Onde partidários, como Bristol West, discutiram o tratamento de Corbyn, seus membros eleitos foram suspensos por burocratas partidários nacionais e regionais não eleitos.

Esta nova repressão aos direitos dos membros já provocou uma nova reação. O vizinho CLP de Bristol North West também desafiou as ordens de Evans e aprovou uma moção criticando a suspensão de Corbyn como "sectária, desmoralizante e errada", continuando que "enfraqueceria nosso Partido quando precisamos ser fortes para resistir ao dano que as políticas conservadoras estão fazendo a milhões de pessoas ”.

Outros Constituintes Partidários e distritais do Labour em todo o Reino Unido estão aprovando cada vez mais moções de apoio a Jeremy Corbyn ou condenando, ou mesmo votando abertamente por nenhuma confiança em Keir Starmer e David Evans. Outros estão sendo impedidos de fazê-lo por intervenções antidemocráticas de oficiais regionais. Quatorze membros do Comitê Executivo Nacional (NEC) do Labour de 39 membros escreveram uma carta aberta condenando David Evans e Keir Starmer.

Precedentes

Assim que Jeremy Corbyn foi eleito líder, uma coalizão de forças, a extrema direita de Tony Blair e a chamada centro-esquerda do partido, para quem era um artigo de fé que uma liderança de esquerda nunca poderia ganhar uma eleição por causa da hostilidade da mídia, comece a “corrigir” a escolha dos membros. Forçando uma nova eleição de liderança em 2016, eles foram completamente derrotados mais uma vez. Foi quando a campanha para difamar e desacreditar Corbyn realmente começou.

Conhecendo sua longa identificação com a defesa dos direitos palestinos e a oposição às guerras imperialistas da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos, eles o consideravam um antissemita e racista. Na verdade, Corbyn tem provavelmente o registro mais longo e consistente de oposição ativa a todas as formas de racismo e fascismo de todos os parlamentares do Labour desde os anos 1970.

Logo, a coalizão de forças anti-Corbyn tinha como alvo todo o movimento Corbyn, que havia aumentado o número de membros do Labour Party de 190 mil para 550 mil, tornando-o o maior partido de esquerda na Europa. Um punhado de parlamentares judeus, que eram apoiadores de Israel de longa data, alegaram ser vítimas de "antissemitas de esquerda", sem qualquer evidência. Eles alegaram que se o Labour fosse eleito, o povo judeu estaria em perigo físico e teria que fugir do país. Tudo isso foi ampliado por programas de televisão como a infame transmissão Panorama de julho de 2019 e propaganda diária nos tabloides conservadores e no liberal Guardian. Ativistas negros proeminentes e antissionistas judeus foram alvejados e suspensos ou expulsos.

O problema era que Corbyn e sua equipe de conselheiros e Jon Lansman, que tem o direito de votos da Momentum, se recusaram a resistir a esse ataque. Eles deixaram seus apoiadores serem expulsos do partido. Por quê? Porque temiam que qualquer revanche levaria à saída de parlamentares de direita antes da eleição e, assim, condenaria a perspectiva de um governo Corbyn.

Na verdade, cinco foram embora, mas seu “partido” logo desapareceu. O que tudo isso revelou foi que o projeto reformista da esquerda Labour exige a manutenção de um bloco com a direita Labour - neste caso a grande maioria do PLP. O problema estratégico com isso é que a direita não precisa da esquerda, uma vez que ela representa a agência da burguesia dentro do Labour Party, normalmente, na verdade, sua liderança é inquestionável.

Dada a escassez de "evidências" mencionadas no Relatório EHRC, principalmente postagens e tweets do Facebook, sem provas de que as pessoas que os escreveram eram membros do Labour Party, é um ultraje que a investigação não tenha sido sobre a campanha de calúnia flagrante e sabotagem da burocracia do partido na sede do Labour.

Um relatório da minoria de apoiadores de Corbyn que trabalhava na Victoria Street Southside registra o terrível bullying a que foram submetidos pela burocracia anti-Corbyn, além da sabotagem total da liderança de Corbyn e à campanha eleitoral de 2017. Isso foi suprimido e teve que ser divulgado porque a liderança do partido não fez nada a respeito.

Corbyn abriu o caminho para essa derrota não apenas por seu tratamento desastroso da crise política sobre o Brexit em 2018-19, seu fracasso em lutar contra a falsa campanha antissemitismo e seu fracasso em permitir que os membros democratizassem completamente o partido, mas renunciando após a derrota de 2019 e abrindo o caminho para Starmer.

Momentum sob Lansman também contribuiu para o desastre, bloqueando seu desenvolvimento em uma organização genuinamente autônoma de base dos filiados. Em vez disso, tornaram-se pouco mais do que um líder de torcida para Corbyn e McDonnell. Como resultado, quando Corbyn renunciou, uma minoria de seus apoiadores votou em Starmer. Os parlamentares de esquerda então adotaram uma posição de apoio educado ao novo líder, conforme sugeria o protocolo parlamentar.

A luta continua

Apesar da repressão dirigida aos membros dos ramos, o número de resoluções condenatórias continuou a aumentar. Além disso, vários líderes sindicais seniores, incluindo Len McCluskey do Unite, o maior doador individual do partido, protestaram nos termos mais fortes vistos em muitos anos. Ele se referiu à reversão de fato de Starmer da restauração unânime do painel do NEC da filiação de Corbyn como "uma ação vingativa que despoja a democracia", como "capitulando às pressões externas" e lançando uma "caça às bruxas". 14 membros do NEC assinaram uma declaração rejeitando essas ações. Em seguida, 13 deles deixaram a reunião do NEC quando Margaret Beckett, em vez de Ian Murray do FBU, foi eleita presidente desse órgão.

As suspensões de dirigentes do CLP que acertadamente desconsideraram a proibição de os militantes discutirem acontecimentos dessa magnitude atestam a existência de uma direção determinada a impor uma ditadura burocrática sobre o partido. Dada a ausência de uma conferência até pelo menos setembro de 2021, o bloqueio até março pelo menos, o “purdah” durante as eleições locais de maio de 2021 e os oficiais regionais correndo soltos, é claramente necessário que a base assuma o controle. Devem desafiar as instruções totalmente antidemocráticas e garantir o funcionamento contínuo dos ramos, partidos constituintes, ramos jovens de trabalhadores etc, juntamente com os comitês de ligação locais com os sindicatos filiados.

É dever de cada ramo e partido constituinte, cada sindicato afiliado em nível nacional e de ramo, não apenas se recusar a cumprir a burocracia na Victoria Street, mas também convocar uma conferência partidária de emergência para reverter todas as medidas tomadas contra Corbyn ou a esquerda, para censurar o líder (e pressionar por uma nova eleição de liderança) e remover David Evans de seu posto. O secretário-geral do partido e todas as autoridades regionais importantes devem ser eleitos, não nomeados. Como Starmer agora tem maioria no NEC, a resistência precisará convocar sua própria conferência, não apenas para resistir ao golpe de Starmer contra os membros, mas para adotar um plano de ação de luta contra os conservadores e o desemprego em massa que a crise econômica e cobiçosa desencadeou.

Um partido democrático da classe trabalhadora tem que ser um partido militante da luta de classes. Onde os ramos e os partidos constituintes são suspensos, eles devem se organizar imediatamente com os ramos sindicais filiados e os Conselhos Sindicais para preparar tal conferência e se engajar na luta de classes contra os Conservadores - sobre o desemprego, etc. Os MPs do Grupo de Campanha Socialista devem formar os seus próprios grupo no parlamento com Jeremy Corbyn como membro de honra.

Se este golpe do PLP de direita, o líder e o chefe da burocracia do partido contra os membros individuais e a maioria dos sindicatos, for permitido, será uma derrota final e histórica não apenas para Corbyn, mas para todos. Toda a esquerda do Labour.

Mas a batalha ainda não acabou, principalmente porque a direita insistiu em quebrar Corbyn e eliminar seus partidários. Eles pressionaram Starmer a usar o relatório do EHRC para humilhar e amordaçar a esquerda. Um acordo negociado com os sindicatos foi quebrado quando Starmer se recusou a reintegrar Corbyn no Partido Parlamentar (PLP), sob pressão do Movimento Judaico Labour e do Conselho de Deputados.

A indignação com as ações de Starmer apresenta a oportunidade de contra-ataque. Mas isso requer a unidade de todos aqueles que não aceitam a unidade com Starmer como desejável ou possível. Na verdade, significa estabelecer a meta de uma verdadeira revolução no Labour, a dissolução da burocracia partidária não eleita, a colocação do PLP e dos conselhos sob a disciplina de órgãos eleitos pelos titulares dos ramos e dos sindicatos filiados também. Por último, mas não menos importante, significa lançar o partido na luta de classes contra o desemprego em massa, contra a privatização, contra todo o ataque conservador ao estado de bem-estar social.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/uk-labour-crisis-over-repression-corbyn-supporters)

Tradução: Liga Socialista em 13/12/2020