Tirem as mãos do Irã! Parem os ataques dos EUA!

08/01/2020 19:19

League for the Fifth International Mon, 06/01/2020 - 12:26

 

O assassinato do general Qassem Suleimani do Irã em Bagdá, sob o comando do presidente dos EUA, Donald Trump, abriu um novo capítulo perigoso para o Oriente Médio. Como chefe da força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana e arquiteto estratégico da crescente rede de milícias, aliados e ativos internacionais do Irã, Suleimani não era apenas uma figura poderosa no regime iraniano, mas uma criadora de reinos em grande parte do Oriente Médio. Com essa violenta violação do direito internacional, Trump levou toda a região, se não o mundo, à beira da guerra.

O assassinato de Suleimani foi uma grave escalada de uma troca contínua de brigas entre forças americanas e iranianas. No início desta semana, os EUA acusaram Suleimani de orquestrar uma tentativa de invasão da embaixada-base militar-americana em Bagdá por milícias iraquianas. O ataque à embaixada foi uma resposta aos ataques aéreos dos EUA contra o Hezbollah Kataib, apoiado pelo Irã, dois dias antes, que, segundo fontes de segurança e milícias iraquianas, mataram 25 combatentes e feriram outros 55. Esses ataques aéreos, por sua vez, também foram uma resposta ao assassinato de um empreiteiro militar americano pelos foguetes do Kataib Hezbollah.

Oficiais do governo e especialistas em política externa ao redor do mundo se uniram em suas análises sobre a natureza revolucionária do ataque, com o ex-chefe do MI6 Sir John Sawers descrevendo a morte de Suleimani como um "ato de guerra". O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, tentou alegar que o assassinato era uma ação preventiva destinada a proteger o pessoal dos EUA em risco iminente, mas o feed do Twitter de Trump antes do ataque foi mais direto: “O Irã será totalmente responsável pelas vidas perdidas ou danos incorridos em qualquer uma de nossas instalações. Eles vão pagar um preço muito grande! Isso não é um aviso, é uma ameaça. Feliz Ano Novo!"

Uma crise perigosa

Embora poucos observadores esperassem esse ataque em particular, as tensões entre os EUA e o Irã vêm aumentando há anos, frequentemente exercidas por conflitos de procuração em países vizinhos, como Iraque e Síria. Como o terceiro maior exportador de petróleo da OPEP, e um rival político-econômico estratégico da Arábia Saudita e seu gendarme regional, Israel, o Irã travou uma luta sangrenta para tirar proveito do enfraquecimento da hegemonia americana e se afirmar como uma potência expansionista. Por mais de uma década, o Irã construiu sua influência cultivando milícias leais xiitas que sustentaram o regime assassino de Assad e consolidaram seu poder no Iraque.

Por sua vez, Trump deixou claro que pretende restringir a influência iraniana por meio de uma política externa mais agressiva. Logo após a posse, ele cancelou o acordo nuclear EUA-Irã negociado por seu antecessor, que havia diminuído as sanções punitivas impostas ao regime iraniano em troca de uma promessa de abandonar seu programa nuclear. Trump substituiu o acordo por sanções ainda mais duras, exigindo que outros países sigam o exemplo e apoiando vigorosamente a Arábia Saudita em sua guerra por procuração com o Irã no Iêmen. Com o aperto firme das sanções dos EUA, o Irã finalmente respondeu com ataques a navios internacionais no Estreito de Ormuz, ataques com mísseis às instalações petrolíferas sauditas e, finalmente, ataques com foguetes contra bases americanas que provocaram eventos que levaram à crise atual.

As alegações de Trump e seus funcionários de que o ataque por drone que matou Suleimani foi um ataque preventivo justificado são uma desculpa totalmente insatisfatória para a provocação. O Irã condenou corretamente a ação como "um ato de terrorismo internacional" e seu líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, prometeu responder na mesma moeda. A maioria dos especialistas concorda que o Irã não retaliará com um ataque direto a bases ou navios militares dos EUA, mas é mais provável que opte por uma resposta "calibrada", como novos ataques às instalações petrolíferas sauditas, bloqueios no Estreito de Ormuz ou ataques a ativos chaves de aliados dos EUA como Qatar ou Emirados Árabes Unidos. Dadas as prováveis ​​consequências, não é do interesse imediato do Irã precipitar uma guerra aberta com os EUA.

Existe, no entanto, um perigo real de que as respostas de ambos os lados fiquem fora de controle. O Irã está sob considerável pressão para responder com força. Sua economia debilitada alimentou um crescente movimento de protesto interno pedindo o fim do regime corrupto e repressivo. Trump também precisa se posicionar para as eleições presidenciais do próximo ano, com a nuvem de impeachment pairando sobre seu governo. Aliados agressivos dos EUA, de Israel à Arábia Saudita, para não mencionar o dedo no gatilho de Trump, podem influenciar o conflito de maneiras imprevisíveis. A economia mundial já está à beira de uma recessão, seu estagnado núcleo pós-2008 ainda mais enfraquecido pelas guerras comerciais de Trump e uma crise de petróleo pode empurrá-la para além do limite, desencadeando uma crise econômica global que aumentaria ainda mais as pressões internas. A lógica da escalada governou o conflito até agora e as tensões que o motivam, nacional e internacionalmente, pressionarão para que isso continue. Como em 1914, ações aparentemente menores poderiam finalmente destruir o equilíbrio de poder e desencadear um conflito global devastador.

Imperialismo e sectarismo

Suleimani foi um dos principais alvos do imperialismo dos EUA. Ele foi o estrategista da humilhação de Israel na guerra do Líbano em 2006 e planejou intervenções iranianas na Síria e no Iraque, que expandiram a influência iraniana às custas dos EUA. Mas nenhum anti-imperialista deveria chorar por Suleimani, que tinha o sangue de milhares em suas mãos. Ele desempenhou um papel essencial na estabilização do regime de Assad manchado de sangue, fornecendo recursos para o massacre implacável de movimentos pró-democracia no Iraque e no Irã, com centenas de milhares de mortos.

Por todos os elogios de Trump ao movimento democrático no Irã, sua provocação deu ao regime iraniano a desculpa perfeita para reprimi-lo e mobilizar protestos em massa contra os EUA para sustentar suas fundações instáveis. Os Quds de Suleimani são indubitavelmente uma força reacionária, assim como as milícias xiitas iraquianas, e o regime iraniano reacionário está tentando se estabelecer como o poder dominante no Oriente Médio, mas continua sendo um estado semicolonial cercado por uma cadeia de organizações de aliados regionais do imperialismo dos EUA. O principal agressor nessa luta desigual são os EUA, apoiados por israelenses, sauditas e outros aliados reacionários.

Foi a ocupação americana do Iraque que alimentou um aumento sem precedentes na violência sectária e estabeleceu o sistema governamental sectário corrupto no Iraque. Esse foi o alvo do inspirador do movimento democrático inter-setorial que tomou as ruas nas últimas semanas. A provocação de Trump terá um efeito negativo sobre esse movimento, aumentando as tensões sectárias, tornando a saída para uma nova guerra civil uma possibilidade real e aumentando as tensões com Israel, que está envolvido em bombardear alvos militares iranianos no Irã e na Síria. Os EUA ainda têm mais de 5.000 soldados no Iraque e já enviaram mais de 3.000. Donald Trump não apenas deixou claro que os EUA desafiariam qualquer decisão do fantoche governo iraquiano de por fim ao posicionamento da base americana no país, mas também ameaçou o Iraque com sanções drásticas, caso houvesse alguma tentativa de forçar a remoção de seus "apoiadores" americanos.

Como mostra o banho de sangue na Síria, a intervenção dos EUA nada tem a ver com democracia ou superação do sectarismo na região, seu único objetivo é "estabilidade", ou seja, os imensos lucros e poder geopolítico que extrai do Oriente Médio. Tendo perdido para a Rússia, o Irã e seus aliados na Síria, está determinado a reafirmar seu poder no Oriente Médio, forçando a "mudança de regime" no Irã por meio de sanções, assassinatos e ameaças de bombardear 52 ou mais "alvos" no país. Essa estratégia também inclui a redução do Iraque, devastado por décadas por seu "libertador", ao status de colônia virtual. Essa estratégia regional faz parte da tentativa de Washington de combater a crescente influência militar e geoestratégica dos imperialistas russo e chinês. Enquanto todas as "grandes potências" querem evitar um choque direto, os ataques e a ameaça de guerra definitiva contra o Irã podem se transformar em um confronto global.

Nesta situação, as potências europeias: Alemanha, França, Grã-Bretanha e UE estão se apresentando como forças de “moderação”. Em uma declaração conjunta, emitida em 5 de janeiro, Merkel, Macron e Johnson pediram a todos os lados que exercitem a "máxima restrição". "Agora é crucial diminuir a escala", alertaram. Embora isso tenha decepcionado os EUA, a Europa e a ONU; os pedidos de "contenção" de ambos os lados são apenas uma farsa hipócrita.

A classe trabalhadora e os movimentos anti-guerra não devem depositar nenhuma esperança ou confiança nesses imperialistas "mais brandos", nem na China ou na Rússia, nem fechar os olhos à natureza reacionária do regime iraniano e seu papel na Síria ou Iraque. Eles devem desistir de qualquer esperança em políticos democráticos como Elisabeth Warren, que disse que não estava convencida de que os ataques armados fossem "ainda" apropriados. Tais "críticos" podem facilmente tornar-se os vendedores da guerra de amanhã.

Foram as manifestações anti-guerra nos EUA no fim de semana e o ultraje em massa no mundo semicolonial que mostraram o caminho a seguir: reunindo milhões contra a agressão americana, pelo levantamento de sanções e pela retirada de todas as tropas e bases imperialistas do Iraque e de toda a região imediatamente!

Apelamos a todas as organizações da classe trabalhadora, esquerda, socialdemocrata e trabalhista, sindicatos, organizações de esquerda e anti-imperialistas a se unirem e se mobilizarem para parar agora a agressão e os ataques dos EUA!

Nós exigimos

  • Não à guerra contra o Irã!
  • EUA, Reino Unido e OTAN fora do Oriente Médio! Fim das sanções contra o Irã!
  • Abaixo o governo sectário iraquiano!
  • Vitória à revolução iraquiana!
  • Rumo aos Estados Unidos Socialistas do Oriente Médio!

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/hands-iran-stop-us-attacks)

Traduzido por Liga Socialista em 08 de janeiro de 2020