Um Ano Novo e a necessidade de uma nova Internacional

07/01/2022 16:18

International Secretariat, League for the Fifth International Fri, 31/12/2021 - 19:33

 

Ao entrarmos em 2022, a luta pela redivisão do mundo entre o velho e o recém-promovido poder imperialista está se intensificando.

Os Estados da OTAN, sob a liderança dos EUA, estão ameaçando novas sanções econômicas contra a Rússia, que está reunindo suas tropas na fronteira da Ucrânia com o objetivo declarado de bloquear qualquer expansão adicional da OTAN em suas fronteiras leste e sul. A velha e nova aliança da Guerra Fria pretende colocar seu rival geoestratégico de joelhos. Embora a Rússia sob Putin ainda seja militarmente uma "grande potência", é muito mais fraca economicamente e vulnerável às sanções maciças que os EUA e a UE podem implantar.

Conversações bilaterais entre Joe Biden e Vladimir Putin, além de negociações formais da OTAN-Rússia, formam o acompanhamento diplomático deste confronto inter-imperialista. Expulsões “olho por olho” de funcionários da embaixada, acusações mútuas de desinformação e propaganda mentirosas, são preparativos para a guerra e uma nova corrida armamentista, ilustram o potencial que essa nova Guerra Fria tem para explodir em uma guerra quente.

Por trás do crescente antagonismo na Europa Oriental, e em muitas outras regiões do mundo, está o antagonismo central entre os EUA e a China, que está se tornando mais agudo no Pacífico e está cada vez mais determinando as relações internacionais.

Essa luta pelo acesso aos mercados, matérias-primas, centros de produção e rotas comerciais ameaça assumir formas cada vez mais perigosas em 2022, seja na Europa, no Oriente Médio, em uma nova "Disputa pela África" ou no confronto sobre Taiwan.

Exatamente que formas este conflito tomará, até que ponto a UE, sob a hegemonia alemã e francesa, conseguirá consolidar-se como uma terceira grande potência, em última análise será decidido dentro da arena da luta de classes, algo que não pode ser resolvido sem grandes crises políticas.

Apesar da derrota de Trump e de sua substituição por Biden, o mundo não se tornou mais pacífico e a política dos EUA não se tornou menos agressiva. Biden só apresenta sua versão de "America First" de forma diferente, como uma luta de um campo democrático ostensivamente progressista contra as "ditaduras".

Seria difícil negar o caráter bonapartista dos regimes políticos chineses e russos ou não simpatizar com os militantes contra a opressão nacional e pelos direitos democráticos de lá. O desmantelamento dos direitos democráticos, o aumento da vigilância, a mobilização nacionalista interna, no entanto, também caracterizam muitas das democracias ocidentais, sem mencionar seus regimes vassalos na Europa Oriental, América Latina ou Oriente Médio.

As numerosas intervenções bárbaras, a vedação de fronteiras externas e sua brutal aplicação pelos EUA, Grã-Bretanha e Fortaleza Europa, bem como o fomento do racismo contra os migrantes, mostram como é realmente a "democracia" dessas potências.

A classe trabalhadora e os oprimidos não devem ficar do lado de nenhum "campo" neste crescente confronto inter-imperialista. Seja nos EUA, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Japão e Austrália, ou na Rússia e na China: o principal inimigo está em casa. O mesmo vale para as potências regionais, ou seja, aquelas semicolônias que buscam promoção ao status imperialista já alcançado pela Rússia e pela China. Em países como Turquia, Brasil, Índia, Paquistão, Israel, África do Sul e Irã, a luta dos trabalhadores e seus aliados deve ser dirigida contra "seu" Estado, contra "sua" classe dominante, incluindo o apoio à luta de libertação de nações oprimidas como os palestinos, os curdos e outras minorias étnicas e nacionais.

Somente através de uma política de classe tão independente o proletariado global, uma maioria crescente do povo do mundo, será capaz de se formar como uma força social independente e dar liderança a todos aqueles oprimidos por causa de sua "raça", nacionalidade ou gênero.

A crise econômica global

Mesmo que alguns países tenham se recuperado um pouco da profunda crise da economia mundial desencadeada pela Pandemia, que levou quase todas as nações à recessão em 2020, essa "recuperação" é extremamente frágil. Nos países imperialistas ocidentais, foi provocada principalmente por uma expansão da dívida estatal e corporativa. É mais como um lampejo na frigideira. Grande parte do mundo, sobretudo os países semicoloniais, nem sequer começaram a se recuperar da crise, mas estão enfrentando crises cambiais e financeiras e falências estatais. Além disso, sua crescente rivalidade global torna qualquer concerto político dos países imperialistas muito mais difícil, na verdade, tende a torná-lo impossível.

Ninguém deve ficar cego pelas promessas sociais dos governos dos EUA, da China ou da Comissão da UE que acompanharam a onda de empréstimos estatais. Nem o Plano de Emprego Americano de Biden, nem o Acordo Verde da UE, nem a "Prosperidade Comum" da China salvarão a classe trabalhadora. Acima de tudo, são programas para a reorganização do capital total, decorados com algumas promessas para os trabalhadores e para a proteção do clima mundial.

A classe trabalhadora, os camponeses, mas mesmo grandes setores das classes médias, também, serão cobrados pelas dívidas da pandemia e de uma grande crise no próximo período. Os ataques virão na forma de inflação desvalorizando seus salários e economias, desemprego, reestruturação, novas restrições aos direitos sociais, cortes nos serviços públicos ou privatizações.

Pessoas racial e nacionalmente oprimidas, mulheres, LGBTIAQ, jovens e idosos já são particularmente duramente atingidas pela crise, tanto em termos de sua situação econômica quanto na disseminação de formas brutais de violência contra mulheres e minorias, de sexismo, racismo, nacionalismo e chauvinismo.

A pandemia e a crise da saúde

Intimamente ligado à crise econômica está a Pandemia de Covid. Por dois anos, apesar do rápido desenvolvimento de vacinas e dos enormes gastos estatais nas metrópoles imperialistas, o capitalismo tem se mostrado incapaz de gerenciar uma crise aguda dos sistemas globais de saúde, que já custou a vida de mais de cinco milhões de pessoas, de acordo com dados oficiais.

Nas semicolônias, centenas de milhões ainda têm acesso negado às vacinas. A monopolização da produção e distribuição de vacinas pelos países ricos é exacerbada pelo aproveitamento da vacina. Anos de "políticas de saúde" neoliberais e devastação ecológica do agronegócio estão mostrando seus efeitos destrutivos na pandemia.

As prioridades capitalistas oscilam entre a determinação de manter a circulação de capital, a produção, o acúmulo e o comércio mundial e a necessidade de conter a disseminação do vírus o suficiente para evitar um colapso do sistema de saúde. Portanto, as políticas também flutuam entre uma aceitação cínica de infecção generalizada, supostamente para permitir a "imunidade de rebanho", em grande parte do mundo semicolonial, ou restrições e bloqueios limitados e seletivos (estratégia de achatar a curva).

Nenhum governo burguês, seja a democracia ocidental ou a ditadura de Bonapartistas, pode fornecer uma solução para esses problemas de queimadas. Para resolvê-los, a classe trabalhadora precisa de uma política que não hesite em anular os direitos da propriedade privada quando se trata de patentes e tornar o know-how acessível a todos, o que não se esquiva de parar temporariamente a produção não essencial ou desviá-la para prioridades sociais vitais e que obriga estados e super-ricos a pagarem para garantir salários e padrões de vida.

A crise ecológica

Intimamente ligado a isso está a crise ecológica. A cúpula climática da COP26 de Glasgow, como todos os seus antecessores, produziu pouco mais do que aspirações dignas. É claro que todos os principais países agora dizem que estão comprometidos com o objetivo da neutralidade climática em algum momento da segunda metade deste século, mas isso é tudo. Enquanto isso, a batalha está sendo travada sobre quem deve arcar com os custos da destruição ambiental. Os perdedores certos já são os países do chamado Terceiro Mundo, que estão sendo privados dos meios para combater os efeitos agudos das mudanças climáticas e outras catástrofes ecológicas. Milhões e milhões já estão perdendo seus meios de subsistência devido à destruição de suas condições de vida.

Assim como a concorrência imperialista, a ameaça de guerra, a crise econômica global e a pandemia, a questão da crise ecológica levanta a necessidade de uma solução internacional, anticapitalista, um programa de demandas transitórias para garantir os meios de subsistência da humanidade, para reorganizar a produção e a distribuição de acordo com as necessidades das pessoas e da natureza.

A crise da política burguesa

As múltiplas crises da humanidade são acompanhadas por uma profunda crise da política burguesa. Isso está gerando uma verdadeira polarização à medida que as classes dominantes oscilam entre uma política de incorporação dos assalariados e suas organizações e uma de confronto aberto e mobilização populista.

Os governos de "centro", o bloco "democrático" de liberais, conservadores moderados e verdes e incluindo a social-democracia, são combatidos em muitos países por partidos e movimentos populistas de direita (incluindo fascistas). Estes apresentam a burguesia com a alternativa de uma linha mais dura, que se baseia em mais nacionalismo chauvinista e tenta estabelecer uma unidade reacionária através da mobilização demagógica contra o movimento das mulheres, contra os migrantes, os racialmente oprimidos e, recentemente, até mesmo contra as medidas anti-corona.

Tal movimento de direita, reacionário e pequeno-burguês está ao mesmo tempo disponível como reserva para a burguesia contra a classe trabalhadora ou movimentos dos racialmente oprimidos.

No pano de fundo de uma mudança para a direita nos últimos anos, há a ameaça de um novo avanço de direita e uma volta para formas autoritárias e antidemocráticas de governo, embora este desenvolvimento não seja de forma alguma inevitável. Em todos os períodos em que o equilíbrio da ordem mundial, a relação tradicional entre estados e entre classes é profundamente perturbada, a conjuntura atual também é marcada por grandes vacilações políticas e uma crescente polarização entre as classes.

Desde as derrotas da revolução árabe, da classe trabalhadora grega ou do movimento de refugiados, essa polarização emerge hoje principalmente como uma polarização distorcida entre movimentos e partidos de direita e de direita-populistas, por um lado, e movimentos transversais, alianças de partidos de esquerda e movimentos de massa abertamente burguesas ou pequeno-burguesas (como fridays for future) e lutas econômicas.

Como uma força política independente, a classe trabalhadora está em uma profunda e histórica crise, uma crise de sua liderança, que afetou suas organizações e tradições existentes, mas ainda não levou à sua substituição por uma nova formação política global que possa enfrentar esses desafios.

Nova Internacional!

Não faltam mobilizações importantes, encorajadoras e imponentes: greves de milhões e milhões de trabalhadores indianos, a enorme militância econômica da classe trabalhadora chinesa, o aumento das lutas de greve nos EUA, revoltas revolucionárias como no Sudão, vitórias eleitorais de candidatos de esquerda como Boric no Chile, ilustram a vontade da classe trabalhadora de lutar e mobilizar e seu potencial de intervir na vida nacional.

Movimentos como o movimento ambientalista, as greves das mulheres e as lutas sindicais transfronteiriços, como a Amazon, mostram a necessidade e a viabilidade de ações de classe comuns em nível internacional.

Se quisermos enfrentar os grandes desafios do próximo período, a crescente competição imperialista e a ameaça de guerra, a crise econômica, ecológica e de saúde global, precisamos de uma coisa acima de tudo: luta de classes e internacionalismo revolucionário.

Precisamos de um internacionalismo maior que a soma das lutas nacionais, políticas e sociais. Um internacionalismo que reconhece que nenhum dos grandes problemas da humanidade pode ser resolvido dentro de um quadro nacional. Um internacionalismo baseado na abolição da propriedade privada dos meios de produção, a desapropriação dos desapropriadores, como condição indispensável para a solução desses problemas. Só assim a economia pode ser reorganizada de acordo com as necessidades da humanidade e da natureza. Precisamos de um internacionalismo que comece a partir da percepção de que é necessário um programa e um instrumento de luta: um partido revolucionário global da classe trabalhadora, a Quinta Internacional.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (A New Year and the need for a new International | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista